Início > EDUCAÇÃO > Alô professor

Alô professor

 

LUCAS MENDES
Clipping Educacional – da BBC Brasil
Nos Estados Unidos há crianças e adolescentes maldosos e pilantras, como o Pimentinha, Bart Simpson, Nelson, do mesmo seriado, e Alfred Newman, do Mad, mas nenhum negro ou latino se destaca como canalha nas histórias em quadrinhos mais populares ou nas séries de humor da TV, nem de humor negro.
Esta ousadia não tem espaço na mídia, mas os negros e latinos afundam as estatísticas da educação americana. Se são vítimas ou culpados é o debate interminável.
Este país foi campeão em educação até a década de 70 e liderava em número de alunos que concluíam os cursos. Hoje, está em 18º lugar em formaturas no curso secundário. Nos últimos testes internacionais de matemática, os adolescentes americanos ficaram em 36º lugar entre 57 países mais avançados e em 29º em ciências.
Ainda lideram na educação superior, mas o número de escolas inferiores progride com mais rapidez do que as boas faculdades.
Os cursos primários e secundários são obrigatórios em todos Estados, mas a cada 26 segundos um aluno para de estudar e muitos entram no crime e na vadiagem. A maioria é negra e latina.
Pela Constituição americana, os Estados são responsáveis pela educação e eles repassam esta responsabilidade aos 13 mil distritos escolares, mas neste país avesso a intromissões federais não há um padrão nacional de educação.
Clinton e Bush pai tentaram. O projeto de Bush filho – No Child Left Behind – obrigava cada Estado a garantir que seus estudantes aprenderiam matemática e a ler, mas não definiu critérios nem padrões.
Walter Isaacson, ex-editor da revista Time e diretor do Instituto Aspen, conta que vários Estados se aproveitaram desta omissão.
O Mississippi anunciou que 89% dos seus alunos dominavam as duas matérias, a mais alta porcentagem do país. O Estado simplesmente baixou o padrão, mas foi flagrado por um teste de um grupo independente: só 18% dos alunos sabiam ler e fazer as contas, a pior porcentagem de todos os Estados.
O primeiro presidente negro, um dos mais bem educados da história do país, conhece a soma e a subtração das más escolas. Obama não falou em padrão nacional para educação durante sua campanha presidencial, mas, no pacote de estímulos que ele criou para tirar o país da recessão, embutiu mais de US$ 4 bilhões em incentivos para as escolas que mostrarem os melhores resultados ou que saiam da fossa, promovendo bons professores e diretores, demitindo os incompetentes.
Educação é um dos maiores problemas americanos. Se eu não tenho filhos em idade escolar, porque vou pagar impostos para sustentar escolas ruins ou alunos vadios? O normal é votar em candidatos que prometem cortar verbas para o ensino.
O Secretário de Educação de Obama, Arne Duncan, companheiro de quadra de basquete, dirigiu o sistema educacional de escolas públicas de Chicago, um dos maiores e mais encrencados do país. Teve a ousadia de dar verbas para as escolas conhecidas como "charter schools".
Elas recebem dinheiro do Estado, mas não tem nenhum compromisso com os poderosos sindicatos dos professores, currículos, sistemas ou horários convencionais. Costuma ser recebido com protestos e vaias. Hoje ele fala em fechar cinco mil escolas de baixo nível.
As "charters" surgiram na década de 90 e hoje tem um milhão e meio de estudantes em 4.600 escolas, uma modesta porcentagem de 4%. Vários empreendedores da área de educação entraram na disputa pelo dinheiro público convencidos de que podem educar melhor por menos e embolsar o resto.
Um dos grupos mais bem sucedidos é o Kipps Academies. Noventa e cinco por cento dos estudantes são negros e latinos e a escola do Harlem é um dos modelos em evidência. As notas dos estudantes são iguais ou superiores aos das melhores escolas americanas.
Difícil entrar e quase nunca perdem um aluno. As aulas começam às 7 da manhã e terminam as cinco da tarde. A disciplina é rígida, a limpeza impecável. Com frequência há aulas de reforço nos fins de semana, mas a variante mais surpreendente é a disponibilidade dos professores: 24 horas por dia, 7 dias por semana. Se o aluno não sabe resolver o problema às sete da noite, "alô, professor".
Para corrigir o problema da falta de educação americana, jantar frio, com álgebra, faz parte da solução.
Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: